Homem recebe transplante duplo de mãos

Chris King perdeu as duas mãos, exceto os polegares, em um acidente de trabalho envolvendo uma maquina há três anos. Ele agora recebeu duas mãos de um doador, em uma operação que levou oito cirurgiões e 12 horas para ser concluída.

Cerca de 80 transplantes de mão foram realizados em todo o mundo, incluindo uma operação anterior no Reino Unido. A cirurgia envolve juntar os ossos do braço receptor e doador de mão em conjunto, utilizando placas e parafusos de titânio, antes de conectar tendões, músculos, vasos sanguíneos e nervos .

"Eles parecem absolutamente enormes", disse King. "São realmente minhas mãos, meu sangue está passando por elas, meus tendões estão ligados a elas".

Cientistas identificam mecanismo que silencia células do câncer de mama abrindo novas possibilidades para futuros tratamentos.

Pesquisadores do Centro de Regulação Genômica (CRG) de Barcelona descreveram pela primeira vez um mecanismo que silencia as células do câncer de mama hormônio-dependentes, um processo fundamental na proliferação de tumores e que abre novas possibilidades para futuros tratamentos.

O principal responsável pelo estudo, publicado pela revista "The EMBO Journal", foi o pesquisador Guillermo Vicent, do grupo de Cromatina e Expressão Genética do CRG.

Vicent explicou que, em algumas ocasiões, o fato de um gene se silenciar pode ser tão importante como se ativar, mas até agora a maioria dos estudos sobre a regulação genética mediada por hormônios tinham focado em analisar os fatores que influenciam na ativação de genes e em menor medida à silenciação.

Células-tronco mostraram ser efetivos para regenerar os olhos de crianças com catarata e reparar a córnea de animais que tinham perdido a visão

Os tratamentos baseados em células-tronco mostraram ser efetivos para regenerar os olhos de crianças com catarata e reparar a córnea de animais que tinham perdido a visão, segundo publicou nesta quarta-feira a revista científica britânica "Nature".

Dois estudos descrevem novas técnicas para devolver a transparência à córnea e ao cristalino que podem evitar transplantes ou implantes artificiais, procedimentos com certo risco para o paciente.

A catarata, a primeira causa de cegueira no mundo, costuma ser tratada com uma operação cirúrgica na qual se substitui o cristalino por uma lente intraocular artificial.

Brasil precisará aumentar o investimento em ciência se quiser se destacar internacionalmente

O secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Jailson de Andrade, disse que o Brasil precisará aumentar o investimento em ciência se quiser se destacar internacionalmente nessa área. “O atual orçamento do MCTIC está no mesmo nível de 2001”, disse Andrade durante debate na 68ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Porto Seguro (BA).

Brasil exportará urânio enriquecido pela primeira vez

A empresa brasileira Indústrias Nucleares do Brasil (INB) exportará urânio enriquecido pela primeira vez. A empresa, vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, firmou acordo com a empresa estatal argentina Combustibles Nucleares Argentinos (Conuar), que prevê o envio de quatro toneladas de pó de dióxido de urânio para a carga inicial de abastecimento de um reator nuclear localizado na cidade de Lima, ao norte de Buenos Aires. O contrato, no valor de US$ 4,5 milhões, foi assinado em junho.

Enriquecido na fábrica da INB em Resende (RJ), o produto ainda precisa de autorização da Coordenação-Geral de Bens Sensíveis do ministério e da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) para completar o processo de exportação, o que deve ocorrer até o fim deste ano. As 4 toneladas serão divididas em três lotes, com teores de enriquecimento de 1,9%, 2,6% e 3,1%.

Além do Brasil, o urânio é enriquecido por outros 11 países. A tecnologia usada na unidade da INB em Resende é a de ultracentrifugação para enriquecimento isotópico, desenvolvida pelo Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo em parceria com o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, autarquia gerida administrativa e tecnicamente pela Cnen.

Organismos do solo podem determinar quais plantas crescem

Alterar os organismos que vivem no solo e pode alterar os tipos de plantas que crescem nele.
Um teste de campo na Holanda descobriu que a adição de uma fina camada de solo de um ecossistema saudável de terras degradadas, apressa muito a restauração. O que é realmente surpreendente, porém, é que esta "inoculação" pode determinar em que direção o ecossistema desenvolve.
"Os organismos do solo são os pilotos que determinam onde o ecossistema vai", diz Jasper Wub s do Instituto de Ecologia da Holanda em Wageningen.