Gene DNAJC13 e seu segredo sobre Parkinson


Uma equipe de investigação internacional, liderada por cientistas canadenses da Universidade da Columbia Britânica (UBC) e da Vancouver Coastal Health, identificou o gene associado à doença de Parkinson e à demência de Corpos de Lewy, de manifestações tipicamente tardias, com a ajuda de uma família menonita canadense de ascendência germano-russa.

Dos 57 membros que fizeram parte do estudo, 12 foram previamente diagnosticados com Parkinson. Segundo Matthew Farrer, investigador da UBC e líder do estudo, “a confirmação inequívoca da ligação entre o gene e a doença necessitou de amostras de DNA de milhares de pacientes com Parkinson e de indivíduos saudáveis”. A família menonita Saskatchewan, que participou na investigação, concedeu amostras de sangue e de tecido cerebral, e
Share:

O bioterrorismo e o pavor da censura


Acabou a novela sobre o controverso experimento holandês que criou um vírus de gripe altamente contagioso e letal em laboratório. Os autores do trabalho, que queriam descrevê-lo em um estudo na revista americana “Science”, tinham sido impedidos de revelar detalhes da pesquisa. Após negociações, um artigo descrevendo o experimento foi finalmente publicado hoje.

A discussão toda tinha começado em dezembro do ano passado, quando autoridades de biossegurança do governo americano determinaram que partes do estudo fossem censuradas. O governo holandês também embargou a licença dos cientistas. O receio era que, nas mãos de um terrorista, as informações permitissem a criação de uma poderosa arma biológica o
Share:

China planeja lançar vacina contra hepatite E este ano


Depois de mais de um ano de exclusão e fiscalização pela Administração Estatal Chinesa de Drogas e Alimentos (SFDA), a vacina para hepatite E desenvolvida por cientistas chineses deverá estar disponível até o final do ano.

Os cientistas desenvolveram a vacina no Instituto Nacional de Diagnóstico e Desenvolvimento de Vacinas em Doenças Infecciosas (NIDVD) na Xiamen University.

Sua aprovação pelo SFDA segue ensaios clínicos de fase III publicados na revista médicaThe Lancet em 2010 [1], que diz ser 100% eficaz na prevenção da infecção.

A Xiamen Innovax Biotech (conhecido como INNOVAX), universidade de pesquisa e desenvolvimento
Share:

Pílula ultrassônica ajuda no avanço da medicina


A uPill é um dispositivo ultrassônico engolível que pode por fim à necessidade de injeções diárias, que são uma rotina dolorosa na vida de muitas pessoas.


O tratamento com pílulas é muito mais agradável e fácil, mas determinadas substâncias como a insulina não são efetivas quando administrados oralmente, pois não penetram o tecido suficientemente rápido. Porém, a pílula que usa o ultrassom para acelerar a absorção da droga pode remover a necessidade de agulhas.

O ultrassom tem sido usado há anos para acelerar a absorção de drogas através da pele, e tem potencial de aumentar em até 10 vezes a absorção.

O método consiste em aquecer as moléculas que estão dentro do tecido epitelial, tornando as membranas
Share:

H5N1 começa a sofrer mutações


É uma das gestações mais problemáticas científicas registrada.

Nove meses depois de ter sido apresentado pela primeira vez em uma conferência , pesquisa mostra que apenas cinco mutações levam a uma gripe aviária H5N1, que transmite através do ar entre mamíferos.

As estimativas publicadas com isso mostram que a natureza poderia produzir este vírus também  e revelam que precisamos agora para acabar com essa ameaça.

A pesquisa feita por Ron Fouchier e colegas do Centro Medico Eramus em Roterdam, na Holanda, foi
Share:

Seu epigenoma muda com o tempo


Um estudo internacional coordenado pelo Dr. Manel Esteller verifica como as marcas epigenéticas se degradam ao longo do tempo.

Lesões epigenéticas são reversíveis, e poderiam vir a desenvolver drogas que aumentam a vida útil.

O que acontece em nossas células, após cem anos? Qual é a diferença no nível molecular entre um recém-nascido e um centenário? É mudanças graduais ou repentinas?

É possível reverter o processo de envelhecimento? Qual a chave molecular para a longevidade? Estas questões têm sido o foco de estudo realizado por pesquisadores durante décadas.
Share:

Hormônio humano produzido por musgos geneticamente modificados


A eritropoietina (EPO) é um hormônio proteico produzido principalmente nos rins.

Cientistas da Universidade de Freiburg , na Alemanha, e uma empresa de biotecnologia da cidade, conseguiram modificar geneticamente o Physcomitrella musgo para produzir EPO recombinante humano em um biorreator.

O hormônio EPO desempenha um papel fundamental na formação de glóbulos vermelhos (eritropoiese ), e é usado no tratamento e prevenção da anemia em pacientes com insuficiência renal ou cancro.

Para estudos mais recentes, é considerada potencialmente também para o tratamento de outras condições
Share:

Eliminaram a ciência do novo rascunho do documento oficial da Rio+20


"A delegação brasileira fez um trabalho brilhante, ao consolidar no novo rascunho do documento final da Rio+20 todos os pontos já acordados por todas as delegações. E foram formados quatro grupos de discussão para temas específicos: governança, financiamento da implementação, oceanos, e assuntos diversos (o famoso 'outros').

Na minha opinião o 'desaparecimento' da palavra ciência no título da Seção B do texto, que originalmente era Ciência e Tecnologia e agora ficou restrita a Tecnologia, é um absurdo. Se há algo que todos concordamos é que será preciso MUITA CIÊNCIA para o desenvolvimento de novas tecnologias, aumento da eficiência das existentes e dar a humanidade uma chance de sobreviver a esta crise ambiental que se agrava diariamente.
Share:

Menina recebe transplante pioneiro de veia



Uma menina de 10 anos na Suécia é a primeira do mundo a receber uma veia tratada com células tronco da própria paciente.


Ela sofreu bloqueios recorrentes na veia porta hepática, que drena sangue a partir do intestino e do baço para o fígado. As condições restringiam severamente seu crescimento e vitalidade. Desde que recebeu a veia, ela floresceu. "Ela está bem, e de acordo com seu pai, ela está fazendo cambalhotas, indo para longas caminhadas, e é uma criança totalmente diferente", diz Suchitra Sumitran-Holgersson , da Universidade de Gotemburgo, na Suécia.


Sumitran-Holgersson e seus colegas realizaram uma secção de 9 centímetros de
Share:

Leite materno inibe o HIV


O leite materno pode inibir o HIV? Um componente desconhecido do leite materno mata partículas de HIV e células infectadas pelo vírus, bem como o bloqueio da transmissão do HIV em ratinhos com um sistema imune humano.


Mesmo que os bebês nascidos de mães HIV-positivas evitarem a infecção durante o parto, cerca de 15 por cento contraem o HIV durante a infância. Desde que o vírus pode passar para o leite, a amamentação foi um possível suspeito.


Para investigar mais, Angela Wahl, da Universidade de North Carolina em Chapel Hill e seus
Share:

Transgênicos tem benefícios econômicos e ambientais?

Pelo sétimo ano consecutivo, a consultoria britânica PG Economics publicou os resultados do Relatório Anual sobre Impactos das culturas geneticamente modificadas . O artigo analisa a utilização econômica, ambiental e social da biotecnologia agrícola, e observa que 1996-2010 estas culturas têm reduzido o uso de pesticidas 438 milhões de kilos (-8,6%) do ingrediente ativo em comparação com agricultura convencional .


O relatório destaca que em 2010 um lucro líquido de agricultores em nível de campo foi de 14 bilhões de dólares , o que equivale a um aumento médio na receita de US$ 100 por
Share:

Quem manda é o Arsênio


Em tempos de preocupações com minerais de terras raras e metais ameaçados de extinção, você se arriscaria a apostar no elemento mais crítico para a moderna tecnologia?


Lítio, silício, germânio, platina são os mais conhecidos do público. Mas estará entre eles aquele cuja falta mais ameaçaria a aparentemente tão autossuficiente era da tecnologia?


Definitivamente não, afirma uma equipe de pesquisadores da Universidade de Yale, nos Estados Unidos.
Share:

Brasil cria e vai produzir vacina contra esquistossomose


O Brasil criou e vai produzir a vacina contra esquistossomose, doença crônica causada pelo parasita Schistosoma encontrado em áreas sem saneamento básico. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou ontem (12), no Rio de Janeiro, os resultados dos testes clínicos de segurança da vacina desenvolvida pelo Laboratório Esquistossomose Experimental do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz).


A descoberta é, na avaliação da Fiocruz, um grande feito dos cientistas brasileiros, uma vez que a doença afeta 200 milhões de pessoas em áreas pobres e tem potencial para atingir um universo de 800 milhões de pessoas
Share:

Molécula que combate a artrite reumatoide


Uma empresa de biotecnologia portuguesa estabeleceu um acordo com um instituto de investigação chinês para se realizarem na China ensaios clínicos de uma molécula contra a artrite reumatoide.


O acordo entre a TechnoPhage empresa portuguesa, e o Instituto de Matéria Médica de Xangai foi apresentado esta segunda-feira em Lisboa.


A artrite reumatóide é uma doença inflamatória crónica que se caracteriza por inflamações, inchaço e dores nas articulações e dá lugar à erosão da cartilagem que cobre as extremidades dos ossos, assim como a lesões nos próprios ossos. A cartilagem e as articulações são atacadas pelo sistema imunitário do próprio doente (sem que se perceba
Share:

Mais que estrelas do universo a possibilidade de novos fármacos


Pense numa farmácia que impressionante a quantidade de fármacos, agora tente isto: Um milhão de bilhões de bilhões de bilhões de bilhões de bilhões de bilhões. É  1 com 60 zeros, esse é o número de potenciais novos medicamentos que ainda podem ser feitos, de acordo com um novo estudo. Pode ser mais do que o número de estrelas no universo.

Apesar de décadas de avanços na medicina de pequenas moléculas, os cientistas sintetizaram "apenas um décimo de 1 por cento" dos cocktails de droga potenciais que podem existir, dizem pesquisadores suíços.
Share:

Você já conversou com sua planta hoje?


Eles podem "cheirar" produtos químicos e respondem à luz, mas as plantas podem ouvir? Parece que sementes de pimenta podem sentir as plantas vizinhas, mesmo com os vizinhos selados em uma caixa, sugerindo que plantas têm um sentido até então desconhecido.


As plantas são conhecidas por terem muitos sentidos: elas podem sentir as mudanças no nível de luz, "cheiro" de substâncias químicas no ar e "gosto" no solo e até um sentido que detecta ventos .


A afirmação mais controversa é que as plantas podem ouvir, uma idéia que remonta ao século 19.
Share:

Genoma de bebê decifrado em pré-natal a partir de testes nos pais


Cientistas sequenciaram com suceso o genoma de um bebê no útero sem tocar o liquido amniótico.Esta abordagem não-invasiva para obtenção do genoma fetal é relatada na edição de 6 de Junho da Science Translational Medicine, um jornal da Associação Americana para o Avanço da Ciência.


Sangue materno amostrado em cerca de 18 semanas de gravidez e uma amostra de saliva paterno continha informações suficientes para os cientistas mapear o DNA do feto. Esse método foi repetido mais tarde por outro casal expectante mais perto do início da sua gravidez. Os pesquisadores verificaram com exactidão suas previsões genéticas usando sangue de cordão umbilical coletado no nascimento.


Jacob Kitzman e Matthew Snyder, trabalham no laboratório
Share:

Desenvolvido vidro ultrafino e flexível


Uma companha americana lançou um tipo de vidro ultrafino e flexível que pode ser ''embrulhado'' ao redor de um objeto.

O produto, batizado de Willow Glass (Vidro Salgueiro) foi desenvolvido pela companhia Corning, a mesma empresa que criou o Gorilla Glass, usado para em telas para telefones celulares.

De acordo com a Corning, o invento servirá não apenas para produtos como telas de smartphones, mas também para outros que não têm forma plana.

O vidro flexível foi mostrado pela primeira vez durante uma feira comercial realizada na cidade americana de Boston.
Share:

Possível vacina contra gripe suína e a tuberculose


Pesquisadores se unem para entender melhor como as vacinas protegem o organismo de infecções. Com abordagens inovadoras, a equipe pretende acelerar o desenvolvimento de imunizantes contra doenças como a gripe suína e a tuberculose.


Uma pesquisa colaborativa pretende mudar o modo de se estudar a imunização contra doenças infecciosas. Financiada pela Comissão Europeia, a iniciativa reúne técnicas avançadas de 22 instituições para acelerar o desenvolvimento da próxima geração de vacinas.


O projeto ‘Tecnologias avançadas de imunização’ (Aditec, na sigla em inglês) foi descrito em edição
Share:

Concluída pesquisa genética mais abrangente sobre o milho


Uma equipe interdisciplinar, liderada por pesquisadores da Universidade Cornell, Departamento de Agricultura dos EUA e Serviço de Pesquisa Agrícola (USDA-ARS), acabam de publicar a análise mais abrangente até hoje do genoma do milho


A equipe espera que a realização ajude a  acelerar o desenvolvimento de variedades melhoradas de um dos mais importantes commodities agrícolas do mundo. Os resultados devem impulsionar os esforços internacionais para aumentar a produtividade, expandir as áreas onde o milho pode ser cultivado e a produção de variedades mais bem equipadas para resistir a pragas e doenças.


Financiado nos Estados Unidos pela National Science Foundation (NSF) e do USDA (Departamento Americano de Agricultura), o trabalho foi um esforço colaborativo por cientistas dos EUA e 17 instituições estrangeiras.
O estudo aparece em dois projetos sobre o genoma do  milho publicados em relatórios separados em 3 de junho na edição online da revista Nature Genetics.
Share:

Flerovium e Livermorium batizados na tabela periódica


Dois laboratórios e parceiros de longa data na criação de produtos químicos superpesados sintéticos têm sido honrados  com os novos nomes dos elementos. O elemento numero 114  agora é oficialmente conhecido como flerovium (símbolo Fl), homenagem ao Laboratório Flerov de reações nucleares na Rússia.

E o elemento numero 116 é agora livermorium (símbolo Lv), em homenagem  ao Laboratório Nacional Lawrence Livermore, na Califórnia.

A União Internacional de Química Pura e Aplicada anunciou os novos nomes 30 de maio.

Ambos os elementos foram criados no laboratório Flerov em Dubna, Rússia, lançando íons de cálcio, com
Share:

Droga que retarda o câncer de mama com menos efeitos colaterais


Uma droga que proporciona uma poderosa toxina para tumores sem os efeitos colaterais dos tratamentos tradicionais pode atrasar o agravamento do câncer de mama e também parece substancialmente prolongar a vida, de acordo com resultados de um estudo da Duke Cancer Institute.


Além de representar um avanço no tratamento do câncer de mama, o sucesso no ensaio clínico valida uma idéia que agora está sendo perseguida por muitas empresas farmacêuticas para o tratamento de vários tipos de câncer de uma maneira que fornece drogas para células cancerosas, poupando as sadias.


"Nós imaginamos um mundo onde o tratamento do câncer iria matar o câncer e não prejudicar o
Share:

Chocolate que pode prevenir problemas cardíacos



O consumo diário de chocolate amargo pode reduzir eventos cardiovasculares, como ataques cardíacos e derrames cerebrais, em pessoas com síndrome metabólica (um conjunto de fatores que aumenta o risco de desenvolver doenças cardíacas e diabetes),estudo publicado no British Medical Journal.


A doença cardiovascular é a principal causa de morte no mundo. O chocolate amargo (contendo cacau, 60% pelo menos) é rico em flavonoides conhecido por ter efeitos protetores do coração, mas isso só foi analisado em estudos de curto prazo.


Assim, uma equipe de pesquisadores em Melbourne, Austrália, usaram um modelo
Share:

Robô e farmacos fazem rato com paralisia andar

Ratos paralisados por lesões graves na medula espinhal recuperaram a habilidade de andar, correr e até mesmo subir escadas, graças a um colete-robô e um chocolate.

Grégoire Courtine e seus colegas do Instituto Federal de Tecnologia, em Lausanne (Suíça), já anteriormente restauram movimento em ratos com lesões da coluna vertebral semelhantes aos que causam paralisia da parte inferior do corpo em humanos, usando um coquetel de farmacos e estimulação direta dos nervos espinhais.

A equipe injetou os farmacos semelhantes  aos lançado em um rato saudável pelas vias do tronco cerebral que ativam os nervos que controlam o movimento inferior do corpo.
Share:

Facebook

Sobre

Blog Archive