Células estaminais de melanoma identificadas em novo estudo


As células estaminais cancerosas são definidas por três capacidades: a diferenciação, a auto-renovação e a sua capacidade para propagar um tumor. Essas células estaminais resistem à quimioterapia e muitos investigadores postulam o seu papel na recaída. Um estudo no Centro de Câncer da Universidade do Colorado recentemente publicado na revista Stem Cells, mostra que células de melanoma com essas habilidades são marcadas pela enzima ALDH e imagina novas terapias para atingir células com ALDH, potencialmente as criadoras de câncer mais perigosos .

"Nós vimos ALDH como um marcador de células estaminais em outros tipos de câncer, mas não no melanoma, e até agora a sua função tem sido amplamente desconhecida", diz o autor sénior do estudo, Mayumi Fujita, MD, PhD, Investigador do Centro de Câncer e professor associado do Departamento de Dermatologia da Faculdade de Medicina da UC.

O grupo de Fujita transplantou células de melanoma ALDH + e ALDH- em modelos animais, mostrando que as células ALDH + foram um tumorogénico muito mais poderoso. Nos mesmos animais com células ALDH +, em seguida, o grupo silenciou o gene que cria esta proteína, considerando que com a ALDH derrubada, as células de melanoma em cultura morreriam e perderiam a capacidade de formar tumores em modelos animais. Quando o grupo de amostras de tumores humanos foi explorado, encontraram subpopulações distintas destas células + ALDH, que constituem cerca de 0,1-0,2% dos tumores primários do paciente. Em amostras de melanoma metastático - a forma mais agressiva da doença - a percentagem de ALDH + células foi maior, mesmo mais de 10% em alguns tumores, o que implica o perigo potente destas células.

"Nestas mesmas células + ALDH, encontram-se os marcadores de células estaminais que são aqueles upregulated e da diferenciação celular que são downregulated. Além destas pistas, células ALDH + geraram os tipos de células heterogéneas vistos no tumor original, "diz Fujita, significando que, para além de auto-renovação e tumorogénese, células ALDH + cumprem os terceiros critérios para uma célula estaminal cancerígena: a capacidade de diferenciar .

O estudo também mostra como o gene ALDH e a sua proteína de agem no sentido de criar uma célula estaminal com propriedades semelhantes.

"Uma maneira de ALDH criar uma célula estaminal cancerígena é através da via de sinalização do ácido retinóico", diz Fujita. A proteína ALDH leva à produção excessiva de ácido retinóico, que por sua vez se liga a receptores nucleares de uma célula e influencia a expressão de muitos genes da célula - por exemplo, os genes envolvidos na regulação da sobrevivência celular, de reparação, e a proliferação, todos os quais se combinam para conferir quimioresistência. Células-alvo com ALDH alta direcionam todos os efeitos a jusante, incluindo a via de sinalização do ácido retinóico.

"A nossa esperança é que podemos intervir neste sinalização, quer ao nível de ALDH ou em outra parte da via, especialmente para re-sensibilizar células à quimioterapia. Usando uma nova droga para tirar quimiorresistência uma célula estaminal de melanoma pode contribuir para melhorar a eficácia dos medicamentos existentes ", diz Fujita.

Fontes: StoneHearth, ScienceDaily e Eureka
Tradução/Adaptação: Inês Vitória Barreiros
Revisão: Emanuel Lima Oliveira

Share:

Facebook

Sobre