Pesquisa demonstra maior frequência de ansiedade em pacientes com Fibromialgia

A fibromialgia é uma síndrome dolorosa não-inflamatória, caracterizada por dores musculares difusas, fadiga, distúrbios de sono, parestesias, edema subjetivo, distúrbios cognitivos e dores em pontos específicos sob pressão (pontos no corpo com sensibilidade aumentada) (Portal Banco da Saúde, 2008). 

Neste estudo, pesquisadores da Universidade de São Paulo identificaram a afluência de sintomas depressivos e ansiosos, investigando sintomas atuais de depressão e ansiedade nos Fibromiálgicos.

A reação de ansiedade está normalmente presente quando a dor é desencadeada. A fibromialgia, por ser uma doença de etiologia desconhecida, de cura incerta e tendo a dor
Share:

Produção de bioetanol a partir de resíduos de alfarroba


O Brasil e os Estados Unidos são os maiores produtores mundiais de bioetanol, onde juntos representam cerca de 62% de toda a produção mundial, sendo a cana-de-açúcar e o milho, respectivamente, as matérias-primas utilizadas na fermentação. No entanto, na Europa também já se começa a estudar o desenvolvimento de fontes energéticas renováveis e menos poluentes, para que possamos ter a nível global uma alternativa economicamente viável aos combustíveis fósseis.

Na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade do Algarve, em Portugal, tem-se desenvolvido estudos na produção de bioetanol, usando como fonte de carbono – e aqui entra a novidade – resíduos industriais de alfarroba. Estamos, portanto, perante um
Share:

Clonagem de pele uma esperança real para queimados


A sul-africana Pippie Kruger, de apenas 3 anos, já estava a ponto de ser desenganada, quando foi submetida a uma cirurgia inédita na África. A menina, que teve 80% do corpo queimado durante um incêndio ocorrido em sua casa, sobreviveu ao ter a pele removida e, posteriormente, reconstituída.
Durante o procedimento, feito pela primeira vez na África do Sul e no continente africano, dois pequenos pedaços da pele de Pippie, que não haviam sido afetados pelo fogo, foram retirados e clonados em um laboratório dos Estados Unidos.
Hoje, após cinco paradas cardiorrespiratórias e 45 cirurgias plásticas, Pippie está de volta ao convívio familiar.

Share:

Nova técnica para vacina contra a aids é destaque na revista Nature


Uma nova técnica que pode levar à produção de vacina contra a aids, desenvolvida com a participação de cientistas do Instituto Oswaldo Cruz, é destaque na edição da revista Nature, uma das mais conceituadas publicações científicas do mundo. A descoberta leva a uma nova abordagem no combate à doença, a partir do estudo de casos de pessoas que contraíram o vírus HIV mas nunca adoeceram.

O foco do estudo, liderado pelo pesquisador David Watkins, é a célula T CD8, um organismo conhecido como célula matadora, encarregada de eliminar do corpo vírus e outros componentes invasores. Em algumas pessoas, a T CD8 tem a capacidade de matar as células CD4
Share:

Implante de telescópio em olho cego faz mulher enxergar


Uma americana conseguiu voltar a enxergar após receber um implante, de um " telescópio" da dimensão de uma ervilha no olho.

A mulher tem 89 anos, ela sofria de degeneração macular relacionada à idade, uma das principais causas de cegueira, passou pelo procedimento no University of California Davis Medical Center, nos EUA, em maio desse ano.

A degeneração macular danifica a retina e causa um ponto cego no campo central de visão de uma pessoa. A causa exata da doença é desconhecida, mas ela se desenvolve conforme o olho envelhece.

A mácula é composta por milhões de células fotossensíveis que fornecem visão central
Share:

Bactérias que transformam produtos químicos tóxicos em ouro puro


Pesquisadores Universidade de  Michigan  descobriram bactérias com a notável capacidade de transformar compostos químicos tóxicos em ouro 24 quilates. A descoberta, detalhada em uma exposição de arte e biotecnologia chamada "a grande obra do amante do metal", é descrito pelo pesquisador Adam Brown como a moderna "neo-alquimia."

A bactéria Cupriavidus metallidurans, possui a habilidade única de sobreviver em ambientes extremamente tóxicos. Alguns anos atrás, os pesquisadores descobriram as bactérias que crescem em pepitas de ouro na Austrália.

Kazem Kashefi, professor assistente de microbiologia e genética molecular, e Adam Brown,
Share:

Facebook

Sobre