Science publica carta de professor da UnB sobre ciência e corrupção


“Se você tivesse sido eleito para o mais alto cargo de sua nação, como usaria a ciência para resolver o maior desafio de seu país?” Respondendo a essa pergunta, o professor Guilherme Santos, da Farmacologia Molecular da UnB, publicou uma carta na edição de 4 de janeiro da Science, uma das revistas científicas mais prestigiadas do mundo. A publicação promoveu um concurso sobre o tema e recebeu aproximadamente 200 respostas de cientistas de todo o mundo, das quais 14 foram selecionadas. O artigo de Guilherme aponta a preocupação com a corrupção e a formação científica desde o ensino básico como fator essencial para solucionar o problema.

“Indiretamente, a corrupção mata mais do que o câncer ou a aids. Se esses bilhões de reais
fossem investidos em saúde, educação ou ciência, certamente o progresso deste país seria mais rápido do que se imagina. Educação científica de base para os nossos jovens, que serão os futuros políticos, seria a principal estratégia para uma ação de longo prazo”, diz a carta. Leia a íntegra clicando AQUI

De acordo com Guilherme, essa educação poderia ser feita por meio da aproximação de alunos do ensino fundamental e médio, a partir dos 12 anos, com laboratórios universitários e estudantes de pós-graduação. “Em princípio poderia haver ajuda do governo para que os pós-graduandos pudessem, junto com os professores, dar aulas semanais para alunos das escolas, trazê-los para nossos laboratórios e complementar a formação com experimentos”, explica.

Essas ideias tomaram forma a partir de sua experiência como pesquisador visitante da Universidade da Califórnia (EUA), em 2005. “Lá, voluntariamente doutorandos iam para escolas de áreas mais carentes e davam palestras sobre ciência. Aqui no Brasil formamos 10 mil doutorandos por ano. Imagine se eles tivessem acesso direto às escolas por meio de projetos de extensão”.

Guilherme acredita que esse contato poderia mudar a compreensão da importância da ciência em todo país. “O Brasil é excelente produtor em diversas áreas, mas não compete em ciência porque a massa crítica é muito pequena. Precisamos fomentar discussões desde cedo, fazendo as crianças se perguntarem: "O que é o bóson de Higgs?". Ou: "Por que vemos a lua?”, exemplifica.

A expectativa do pesquisador e de outros colegas da UnB é que o governo se sensibilize para financiar e organizar este tipo de ação. “Não dá para medir impacto ainda, mas a gente espera que a (presidenta) Dilma Rousseff ouça e esse se torne um projetinho nas escolas”, brinca Guilherme. “Em termos de repercussão, as três maiores revistas do mundo são a Science, a Nation e o New England Journal. A gente comemorou quando a carta dele foi aprovada. É um fato realmente importante”, completa o diretor do Laboratório de Farmacologia Molecular da UnB, Francisco Neves.

Guilherme Santos é graduado em Veterinária pela Universidade Federal de Uberlândia, mestre e doutor em Patologia Molecular pela UnB. Fez doutorado sanduíche com passagem na Universidade de Cergy-Pontoise e Inserm-Paris. Realizou pós-doutorado no Medical Medical Research Council-Laboratory of Molecular Biology (MRC-LMB), Cambridge, e na Universidade de Leicester, Inglaterra. Atua principalmente em estudos de interação proteina-DNA, receptores nucleares e cromatina. É professor da Faculdade de Ciências da Saúde da UnB.

Fontes/Reprodução: EBC e UNB


Share:

Facebook

Sobre

Blog Archive