Fumantes passivos têm um risco maior de desenvolver demência

Há muito tempo se sabe os efeitos nocivos que o tabagismo tem para o corpo.

E também é conhecida que a fumaça  prejudica não apenas o fumante, mas também aqueles que estão nas proximidades. Por este último método, o de "fumo passivo", é  investigado muito ultimamente, e as descobertas estão se tornando preocupantes.

A mais recente vem agora, como resultado de um estudo realizado por uma equipe internacional de especialistas da China, Reino Unido e  Estados Unidos.

Fumantes passivos têm um risco maior de desenvolver demência do que os não expostos à fumaça, a fumaça inalada pelo fumo passivo causa sérias doenças respiratórias e cardiovasculares, incluindo doenças cardíacas e câncer de pulmão.

No entanto, até agora não estava claro se essa fumaça inalada aumenta o risco de demência, principalmente devido à falta de pesquisa. Embora estudos anteriores já mostraram que a inalação de "segunda mão" está associada com comprometimento cognitivo, este é o primeiro a encontrar uma relação significativa entre a fumaça inalada passivamente e várias formas de demência e deterioração mental.

O estudo, realizado usou uma amostra de cerca de 6.000 pessoas em cinco províncias chinesas.

A China é o maior consumidor de tabaco do mundo, com 350 milhões de fumantes.

A China também tem o maior número de pessoas com demência no mundo, bem como a percentagem de novos casos está aumentando à medida que a população envelhece. Enquanto isso, Dr. Ruoling Chen descobriu que 10 por cento da população amostra analisada apresentou sintomas graves de demência. Esta incidência de várias formas de demência foi significativamente relacionado com o nível e duração da exposição à fumaça de fumo passivo.

Essa relação foi encontrada tanto em pessoas que nunca fumaram, ex-fumantes e pessoas que continuam a fumar, significa em outros dados, foi encontrada a possibilidade de que os transtornos mentais das pessoas mais afetadas foram expostas à fumaça do tabaco em seu ambiente, as constatações feitas neste estudo, juntamente com os obtidos em um segundo estudo recente por Chen e seus colegas sobre as relações entre o fumo passivo e a doença de Alzheimer, reforçam a necessidade de medidas de saúde pública para proteger pessoas contra a exposição à fumaça de cigarros fumados por outros em seu ambiente. "O aumento do risco de síndromes demenciais graves em fumantes passivos é semelhante ao aumento do risco de doença cardíaca coronariana" diz Chen.

Isto sugere que a ação preventiva é urgente, não só na China, mas também em outros países.

Tradução/Adaptação: Fernando Góis
Source: NCYT e KCL
Share:

Facebook

Sobre

Blog Archive