Planta faz espermatozóides se moverem mais rápido


Da mesma forma que os sensores de proteína do nariz detectam os cheiros, vários estudos têm mostrado que o esperma também tem receptores olfactivos. Estes são expressos pelo gene OR1D2, e desencadeiam processos de quimiotaxia (locomoção celular mediante um estímulo químico).

Em vários estudos foram testadas uma grande variedade de fragâncias florais, mas a que mais se destacou no comportamento dos espermatozóides foi a fragância da planta lírio-do-vale (Convallaria majalis).


O composto presente no lírio-do-vale é o bourgeonal. Este activa a abertura dos canais de Ca+ do esperma, que não só duplica a velocidade dos espermatozóides, como também os ajuda a encontrar a direcção certa: o óvulo. Assim, estes estudos podem ajudar a entender a “comunicação” entre esperma e óvulo, assim como abrir portas a uma nova forma de tratamento de infertilidade masculina.

As flores que sempre foram valorizadas pela sua beleza natural e simbolismo de um presente romântico, agora também podem embelezar o amor e romance de uma forma biológica.

Texto: Pedro Lino
Source: NCBI , NCBI , OxfordJournal e WorldOfChemicals
Share:

Facebook

Sobre