Tratada como revolução tecnológica, nanociência ainda necessita de regulamentação

Apontada como solução para muitos dos problemas da humanidade, a nanotecnologia ou nanociência enfrenta, ainda, dilemas como a regulação da área e o escasso conhecimento a respeito dos efeitos colaterais de novos materiais produzidos.

O diretor do Centro de Gestão de Estudos Estratégicos (CGEE), Fernando Rizzo, aponta que elementos em nanoescala se comportam de maneira diferente do que fariam em sua forma principal. “Há uma preocupação que algumas dessas nanopartículas possam ser tóxicas”, alerta o diretor.

O tamanho nanométrico das partículas também causa temor em médicos. As nanopartículas podem atravessar a membrana que protege o cérebro de componentes nocivos lançados na corrente sanguínea.

Share:

Embrapa utiliza bactérias, vírus e fungos para desenvolver medicamentos e cosméticos

As armas biológicas, com seus efeitos devastadores e desconhecidos pela maioria dos pesquisadores e cientistas, podem ser consideradas as mais temidas existentes. Ao serem transformados geneticamente em laboratórios, vírus e bactérias tornam-se mais resistentes aos tratamentos médicos. Ao mesmo tempo, esses micro-organismos podem matar ou incapacitar pessoas, animais e plantas.

A história mostra que o uso desse tipo de arma não é recente. Na Antiguidade, exércitos usavam cadáveres em estado de putrefação para contaminar o abastecimento de água de uma cidade ou jogavam por cima das muralhas inimigas cadáveres de vítimas de varíola ou de peste bubônica.

Share:

Simples e funcional esse é o Sabonete Anti-Malária

Ideias simples e bem desenvolvidas devem ser sempre incentivadas. Um dos grandes problemas da África subsaariana é a malária e uma ideia teoricamente pouco complexa foi desenvolvida pelos estudantes Moctar Debélé, de Burkina Faso, e Gérard Niyondiko, de Burundi. Os dois são alunos do Instituto Internacional de Água e Meio Ambiente, em Burkina Faso, e ganharam um prêmio de 25 mil dólares por esta invenção.

Eles criaram o ‘sabonete anti-malária’ usando ‘karate citronella’ e outras ervas não divulgadas encontradas no solo de Burkina. O produto ainda está sendo avaliado para, posteriormente, ser distribuídos para ONGs locais, contou Niyondiko.

Share:

Transplantes de medula 'livram' dois pacientes de vírus HIV

Dois pacientes portadores de HIV que receberam transplantes de medula óssea ficaram livres do vírus e interromperam o tratamento com medicamentos antirretroviais.

Os avanços, que trazem esperança para o tratamento da Aids, foram anunciados por pesquisadores do Brigham and Women's Hospital, nos Estados Unidos, durante a Conferência Internacional sobre Aids.

Segundo os médicos, um dos pacientes já não toma medicamentos há 15 semanas e o outro há 8 e, desde então, exames não detectaram sinais do HIV em seus organismos.

Share:

Brasil desenvolve tecnologia inédita com fibra de carbono

O Brasil desenvolveu uma tecnologia inédita com fibra de carbono, mais barata e tão resistente quanto às comercializadas no mercado internacional. A pesquisa foi desenvolvida pelo Exército Brasileiro, em parceria com a Petrobras, e usa o piche de petróleo para a criação do material. Muito usada na indústria da aeronáutica e automobilística a fibra de carbono diminui o peso dos materiais sem perder a resistência.

A fibra de carbono de piche já é produzida comercialmente no Japão e nos EUA, porém com piche de alcatrão ou sintético (substâncias químicas puras), e com o preço de comercialização variando entre US$ 50 e US$ 1 mil o quilo. O alto custo faz com que o material, que substitui sobretudo o aço e alumínio, seja mais usado em carros de Fórmula-1, veículos de luxo, em aviões e foguetes.

Share:

Facebook

Sobre